Desenvolvimento de linguagem e cognição na Síndrome de Down
 
 
 
O desenvolvimento cognitivo de crianças com síndrome de Down segue o mesmo curso e sequência observados no desenvolvimento típico durante os primeiros anos de vida, porém ocorre de forma mais lenta e atrasada, com fases de transição mais prolongadas em determinadas habilidades.
Essas crianças apresentam consequente atraso no desenvolvimento de linguagem, com diferenças em relação à quantidade, qualidade e diversidade de gestos e palavras, quando comparadas a crianças com desenvolvimento típico.
A aquisição lexical ocorre de forma mais lenta nas crianças com síndrome de Down e geralmente apresentam vocabulário receptivo relativamente maior do que o vocabulário expressivo. Dificuldades de atenção visual e auditiva são frequentemente encontradas, contribuindo ainda mais para o atraso no desenvolvimento cognitivo e de linguagem dessas crianças.
Em função do déficit de linguagem expressiva, as crianças com síndrome de Down geralmente utilizam os gestos por um período de tempo mais longo, com o objetivo de se comunicarem de forma mais efetiva, enquanto ainda não conseguem se fazer entender por meio da fala. Após o início da linguagem oral, geralmente apresentam dificuldades específicas quanto à transição das combinações de gesto e palavra para as combinações de duas ou mais palavras, sendo frequente o uso de vocábulos isolados.
O desenvolvimento de linguagem é paralelo ao desenvolvimento cognitivo, porém tende a ocorrer de maneira mais lenta. Mesmo que a criança apresente idade mental de três anos, é previsto que seu desenvolvimento linguístico seja compatível com idades anteriores.
A estimulação precoce é fundamental para estimular as reais potencialidades de cada criança, independente do grau de comprometimento cognitivo que ela apresente. Não há como prever um limite de desenvolvimento linguístico para os indivíduos com Síndrome de Down. Sua capacidade cognitiva em conjunto com as estimulações que recebem em diferentes ambientes sociais irão determinar seu desenvolvimento dentro de suas potencialidades.

 

Ferreira, At; Lamônica, DAC. Estimulação da linguagem de crianças com Síndrome de Down. In: Lamônica, DAC. Estimulação da linguagem: aspectos teóricos e práticos. São José dos Campos: Pulso, 2008.p.179-197.Cap.10.
Por |2018-04-26T09:30:55+00:0014 de setembro de 2016|Aprendizagem, Audição, Cognição, Fala, Fonoaudiologia geral|0 Comentários

About the Author:

Graduada em Fonoaudiologia (2009), mestre (2011) e doutora (2016) em Ciências Aplicadas à Saúde do Adulto pela Faculdade de Medicina da UFMG. Realizou cursos no Centre de Linguistique Appliquée (Université de Franche-Comté) – França (2013). Participa anualmente de congressos internacionais, sendo o de 2015 em Monterey na Califórnia/EUA. Publicou estudos importantes nos periódicos Journal of Communication Disorders e Arquivos de Neuro-Psiquiatria. Atualmente participa do grupo de pesquisas em Neurofibromatoses do Hospital das Clínicas da UFMG. Tem experiência clínica nas áreas de audiologia e linguagem, com ênfase em processamento auditivo, treinamento auditivo, distúrbios de linguagem e aprendizagem. Currículo completo: http://lattes.cnpq.br/1978022333477136

Deixe um Comentário

Este site usa o plugin Akismet para reduzir spam. Você pode aprender aqui como seu comentario é processado antes de ser publicado.

MENU

INSCREVA-SE

Receba automaticamente novos posts por e-mail

Nome e Sobrenome:

Endereço de e-mail

Facebook
Facebook
PINTEREST
PINTEREST
INSTAGRAM
Whatsapp