Como estruturar uma rotina de estudos em casa?
 
     A rotina é muito importante para a vida das crianças desde seu início de vida. A rotina de cuidados do bebê, por exemplo, traz segurança e auxilia seu desenvolvimento físico e psíquico.
   Também para crianças maiores e até para os jovens a rotina é importante, ela organiza! Crianças cujas famílias adotam uma rotina clara e consistente geralmente são mais organizadas: alimentam-se e dormem em horários adequados, participam de tarefas da casa, têm horários para o lazer, ou seja, planejam seu tempo e o aproveitam de uma forma melhor. E é claro que essa rotina geral influencia positivamente o aprendizado, pois essas mesmas crianças e jovens tendem a ser pontuais, não deixam de realizar suas tarefas, organizam seus materiais e estão em dia com o estudo.
   Sendo assim, pais, procurem estabelecer e respeitar uma rotina diária para sua família. No que se refere à rotina de estudos, há algumas considerações e sugestões.
    A primeira é: não há uma receita. Não existe um único modelo de rotina de estudos. Cada família deve avaliar suas possibilidades e organizar um roteiro que pode ser revisto à medida que surgirem necessidades. O importante é que a rotina contemple locais, horários e responsáveis por determinadas tarefas.
    Em relação ao horário, procure avaliar, diante das possibilidades da família, qual o ideal. É importante que a criança esteja descansada, sem fome, sem sono. Evite competir com os horários dos programas preferidos dela, desde os da TV até a brincadeira com os colegas da rua ou do prédio. É aconselhável que esse horário também concilie com o de um adulto que possa ficar disponível às mais diversas necessidades da criança. Há crianças que conseguem realizar tarefas com autonomia, mas há aquelas que precisam de suporte, tal qual a leitura de textos ou comandas, por exemplo.
     Alterne tarefas que seu (sua) filho (a) tenha dificuldade com outras mais agradáveis ou até mesmo com pausas para o lazer ou descanso. O disléxico se cansa com facilidade, pois ler é uma tarefa trabalhosa para ele. Ajude-o ainda a planejar a execução de trabalhos escolares com prazos mais longos e o auxilie na organização de uma agenda de estudos para as semanas de provas. Procure respeitar o tempo de concentração de seu (sua) filho (a).Observe por quanto tempo ele é capaz de estudar ou fazer tarefas concentrado e planeje intervalos baseados nesse tempo.
     Ninguém apresenta bom rendimento quando está exausto. Os intervalos podem ser pequenos e podem ser aproveitados para um lanche, uma brincadeira, um tempo de atividade prazerosa. Estimule o estudante a fazer uma revisão de suas produções (respostas escritas, textos, contas), pois a criança, e até mesmo o jovem, tendem a querer terminar logo para ficar livre.
    A rotina de estudos deve contemplar não só as lições de casa, mas também a realização de trabalhos escolares e o estudo dos conteúdos vistos em aula. Sabemos que não é aconselhável estudar apenas nas vésperas de provas e, para os disléxicos, a repetição dos conteúdos pode ser uma estratégia interessante para a memorização. Assim, é prudente estudar todas as matérias continuamente. Sugerimos que vocês coloquem a rotina de estudos em um quadro semanal ou mensal em local de fácil visualização.
    Valorize o esforço e elogie os conhecimentos de seu (sua) filho (a). Estudar não é tarefa simples para um disléxico. As dificuldades da leitura e escrita tornam este momento mais desgastante do que para outros estudantes.
Fonte: Conversando com os pais sobre como lidar com a Dislexia e outros transtornos específicos de aprendizagem. Instituto ABCD.

 

Por |2018-04-25T20:25:33+00:0015 de dezembro de 2016|Aprendizagem, Escola, Escrita, Linguagem|0 Comentários

About the Author:

Graduada em Fonoaudiologia (2009), mestre (2011) e doutora (2016) em Ciências Aplicadas à Saúde do Adulto pela Faculdade de Medicina da UFMG. Realizou cursos no Centre de Linguistique Appliquée (Université de Franche-Comté) – França (2013). Participa anualmente de congressos internacionais, sendo o de 2015 em Monterey na Califórnia/EUA. Publicou estudos importantes nos periódicos Journal of Communication Disorders e Arquivos de Neuro-Psiquiatria. Atualmente participa do grupo de pesquisas em Neurofibromatoses do Hospital das Clínicas da UFMG. Tem experiência clínica nas áreas de audiologia e linguagem, com ênfase em processamento auditivo, treinamento auditivo, distúrbios de linguagem e aprendizagem. Currículo completo: http://lattes.cnpq.br/1978022333477136

Deixe um Comentário

Este site usa o plugin Akismet para reduzir spam. Você pode aprender aqui como seu comentario é processado antes de ser publicado.

MENU

INSCREVA-SE

Receba automaticamente novos posts por e-mail

Nome e Sobrenome:

Endereço de e-mail

Facebook
Facebook
PINTEREST
PINTEREST
INSTAGRAM
Whatsapp