Objetivos da avaliação neuropsicológica para a Fonoaudiologia

A avaliação neuropsicológica tem revelado de valor fundamental no auxílio ao trabalho do fonoaudiólogo, tendo em vista que propicia um amplo leque de aplicações em diferentes contextos da intervenção fonoaudiológica. De maneira geral, entretanto, seja no contexto prático do consultório ou outro, é importante rever o que norteia os pedidos de exame neuropsicológico:

  1. Auxílio diagnóstico: Seja o que for que motiva o pedido, quando o exame é solicitado para fornecer subsídios para identificação e a delimitação do quadro, a avaliação visa responder uma pergunta que tem a ver com a origem, a natureza ou a dinâmica da condição em estudo. Isso implica que seja feito um diagnóstico diferencial entre quadros que têm manifestações muito semelhantes ou passíveis de serem confundidas, como às vezes pode ocorrer, por exemplo, entre retardo mental leve e transtornos de aprendizagem.
  1. Prognóstico: O diagnóstico está feito, mas se deseja estabelecer o curso da evolução e o impacto que a patologia em questão terá a longo prazo. Certamente esse tipo de previsão tem a ver com a própria doença ou condição de base da doença ou transtorno, e, quando há lesão, com o lugar, o tamanho e lado no qual se encontra, devendo, nesse caso, ser considerados os efeitos a distância que ela provoca.
  1. Orientação para o tratamento: Entre os empregos e objetivos da investigação neuropsicológica, este é um dos mais importantes. Ao estabelecer a relação entre o comportamento e o substrato cerebral ou a patologia, a avaliação neuropsicológica não só delimita áreas de disfunção, mas também estabelece as hierarquias e a dinâmica dos transtornos em estudo. Tal delineamento pode contribuir para a escolha ou para mudanças no tratamento fonoaudiológico.
  1. Auxílio para planejamento da reabilitação: A avaliação neuropsicológica estabelece quais são as forças e as fraquezas cognitivas, provendo, assim, um “mapa” para orientar quais funções devem ser reforçadas ou substituídas por outras.

Esses são os principais motivos de demanda para a avalição neuropsicológica, mas as possibilidades são múltiplas. Conforme ela se processa com testes quantificáveis específicos e que investigam amplamente o funcionamento, permite estabelecer se há distúrbio ou déficit, se eles têm relação com a doença e se esta é sugestiva de um tratamento não diagnosticado no presente. Ela estabelece quais funções, áreas ou sistemas cerebrais podem estar envolvidos e quais hipóteses diagnósticas podem ser feitas a partir da avaliação.

Como se pode ver, a avaliação neuropsicológica pode contribuir para o entendimento e o manejo de quadros tão diversos envolvendo os transtornos do desenvolvimento e da aprendizagem, quadros neurológicos e mesmo doenças que afetam secundariamente o sistema nervoso central.

 

Fonte consultada:

Funtes D., Malloy-Diniz L., Camargo CHP., Cosenza RM. Neuropsicologia: Teoria e Prática. 2ª Edição, Artmed, 2014.