Como posso saber se meu filho foi diagnosticado corretamente com o transtorno de processamento auditivo?

O transtorno do processamento auditivo (TPA) é difícil de diagnosticar. Às vezes, é confundido com o transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH). E pode compartilhar sintomas com outras condições. Estas incluem comprometimento específico da linguagem e outros transtornos do espectro do autismo.

Dicas de um possível TPA podem aparecer logo na pré-escola. Mas a maioria dos fonoaudiólogos recomendam esperar para avaliar o processamento auditivo quando a criança tenha 7 ou 8 anos de idade. Isso é porque as crianças pequenas variam muito na rapidez com que adquirem habilidades diferentes. Essas habilidades incluem compreender os sons que ouvimos e aprender a ouvir enquanto ignoramos o ruído de fundo.

Leva tempo para o cérebro desenvolver e refinar essas e outras habilidades. E esses fatores de desenvolvimento podem levar a um erro de diagnóstico de TPA.

Por exemplo, quando crianças muito pequenas são testadas para o TPA, fatores como falta de cooperação, falta de atenção sustentada e falta de compreensão podem afetar a interpretação dos resultados do teste.

É por isso que as crianças que recebem um diagnóstico de TPA até os 6 anos podem precisar ser novamente testadas mais tarde. Especialistas na área querem, na verdade, ter certeza de que não foi o TDAH ou outro problema que às vezes pode se parecer muito com o TPA.

Diagnosticar o TPA envolve dar uma sequência de testes, chamada de bateria. A bateria de testes da avaliação do processamento auditivo procura uma incompatibilidade entre “ouvir” (que normalmente é normal para crianças com TPA) e a capacidade de interpretar ou discriminar sons.

O desempenho do seu filho nesses testes auditivos pode ser afetado por problemas de atenção ou problemas na fala ou linguagem. Aqui estão algumas coisas que você pode fazer para tentar evitar ou corrigir um diagnóstico incorreto.

Utilize sempre uma equipe multidisciplinar. Qualquer caso potencial de TPA deve ser avaliado por uma equipe. Inclua um fonoaudiólogo, um psicólogo e um médico (neurologista, psiquiatra e/ou otorrinolaringologista).

Certifique-se de que o fonoaudiólogo esteja familiarizado com o TPA. Nem todos os fonoaudiólogos são. A menos que eles estejam procurando especificamente por TPA, muitos fonoaudiólogos não encaminharão uma criança para a avaliação do processamento auditivo se os testes mostrarem que ele tem audição normal. Mas, se você descrever claramente os sintomas do seu filho, a maioria dos fonoaudiólogos saberá o suficiente sobre os sinais de alerta do TPA.

Exclua outros problemas primeiro. Antes de testar uma criança para TPA, o fonoaudiólogo deve realizar uma audiometria para descartar a perda auditiva. O fonoaudiólogo também deve avaliar qualquer problema de fala ou linguagem antes da avaliação do processamento auditivo.

Também é importante que um médico e um psicólogo investiguem um possível déficit de atenção. Se esse for o caso, e se você optar por dar a ele medicação para problemas de atenção, é melhor esperar para fazer a avaliação do processamento auditivo até ajustar a dosagem ideal para gerenciar os sintomas de TDAH.

Não pare de dar a medicação para o TDAH. Se o seu filho tiver um diagnóstico de TDAH e estiver sob medicação, assegure-se de que ele continue tomando durante a avaliação do processamento auditivo. Parar ou trocar a medicação pode afetar os resultados da avaliação do processamento auditivo.

Naturalmente, muitos pais optam por não medicar para o TDAH. Nestes casos, a avaliação do processamento auditivo dependerá da capacidade da criança de prestar atenção suficiente aos testes.

Tome notas sobre as estratégias que você está usando. Acompanhe quais acomodações de sala de aula parecem ajudar e quais não. Faça o mesmo com as estratégias que você está tentando em casa. Tomar notas e compartilhar suas observações pode ser muito útil para os profissionais que acompanham o seu filho!